quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

QUINTA

HISTÓRIA
(Grande Irmão)

O "Grande Irmão" é um personagem fictício no romance 1984 de George Orwell, o enigmático ditador da Oceania. Na sociedade descrita por Orwell, todos as pessoas estão sob constante vigilância das autoridades, principalmente por teletelas, sendo constantemente lembrados pela frase propaganda do Estado: "o Grande Irmão zela por ti" ou "o Grande Irmão está te observando" (do original "Big Brother is watching you"). A descrição física do "Grande Irmão" assemelha-se a Josef Stalin. O conceito originado transposto para a sociedade moderna, é o domínio das massas por mídias, se não totalitárias, mas na condição de quase monopólio de audiência. Elas podem ditar regras nos costumes, fazer e/ou desfazer idolatrias e fazerem-se de vias para a condução de uma cultura.

NOTÍCIA
(Cheirinho)

Alunos da Universidade Purdue, no estado americano de Indiana, estão ganhando dinheiro extra ajudando um projeto que poderia fazer virar o estômago dos seus colegas de classe. Seu trabalho? Cheirar esterco. Os universitários ganham US$ 30 por sessão passada cheirando aromas tirados de celeiros cheios de porcos, cabras e galinhas. O objetivo é ajudar a pesquisa de Albert Heber, professor de engenharia agrícola e biológica da Universidade Purdue. O objetivo do professor é descobrir qual tipo de fazenda é mais fedorenta.

DA REDAÇÃO
(fazer??)

Não gosto do Big Brother. Não gosto mesmo. Acho uma besteira encarcerar meia dúzia de pessoas bem vestidas (no começo) e com corpos bonitos. O pior é que imaginam (os expectadores) que os macaquinhos de auditório são os participantes, mas na real é o próprio público que fica hipnotizado com aquela grande besteira.

2 comentários:

Homem do Contra disse...

O mais interessante neste livro do Orwell (uma espécie de continuação do "Animal Farm" ou "A Revolução dos Bichos", é que ele projeta num futuro 1984 o totalitarismo soviete que se observava em 1948, ano em que confecionou a obra. A diferença básica é que em vez do dedo-duro da porta ao lado, o trabalho ficava por conta do aparato tecnológico.
São livros fundamentais para quem quiser desenvolver um raciocínio político. Junto a estes recomendo:

Admirável Mundo Novo
O Macaco e a Essencia
A Laranja Mecânica
1985 (a visão 1984 do Burgess)
Do Zero ao Infinito
Farnenhiet 451

E muitos outros, mas estes antes.

Carlos Mota disse...

Quem assiste ao big brother da tv só pode ter nascido sem cérebro.

Assino embaixo as sugestões do Do Contra.