quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

QUINTA

HISTÓRIA
(Saída a francesa)

É provável que tenha sido dita pela primeira vez durante a Guerra dos Sete Anos (1756-1763), quando as principais potências européias se enfrentaram, encabeçadas de um lado pela França e do outro pela Inglaterra. Durante a Guerra, Franceses eram acusados de abandonarem o campo de batalha no meio da disputa.A mesma acusação foi imputada aos ingleses, no entanto, o mundo inteiro diz que a saída (de fininho) é a francesa e os franceses dizem que a saída é a inglesa.

NOTÍCIA
(só?)

A Polícia Federal prendeu, nesta quarta-feira, em Manaus (AM), um empresário de 55 anos, do ramo de transportes, acusado de exploração sexual de menores. O nome do acusado está sendo mantido sob sigilo. O empresário teria fotografado cenas de relação sexual entre ele e 9 garotas, de idades entre 14 e 16 anos. As fotos foram colocadas na Internet. O pai de uma das garotas viu a foto da filha e denunciou à polícia. O crime de produção e divulgação de imagens de pornografia envolvendo menores pode resultar em pena de até 6 anos de prisão. A Polícia Federal acredita que exista uma rede de pedofilia no Estado.

Da REDAÇÃO
(Só?)

O camarada pode ficar, no máximo, preso por 6 anos. Depois, que os nomes das crianças seja mantido em sigilo eu concordo, mas o camarada, o taradão deve ser divulgado o nome dele tão logo seja comprovada sua culpa nos tribunais. O Brasil segue com sua mania de fazer carinho em bandidos. Mudando de assunto, a noite de ontem, Quarta-feira, estive com meu caro amigo Felipe Basso. Grande amigo, grande parceiro, de mesa de bar, e de vida! Ganhei o livro de Paulo Mendes Campos que explica o Mesa de Bar de ontem: Porque os bares morrem numa quarta-feira.

7 comentários:

Homem do Contra disse...

Nome de condenado com sentença criminal passada em julgado nunca foi e nem nunca será sigilo.

O sigilo se aplica as investigações. E se o cara é inocente?

E se tu fores acusado de um crime que não cometeu?

Te garanto que nessa situação, acharás muito pouco os "carinhos" oferecidos pelo sistema.

Ainda vou escrever um tratado sobre direitos humanos, mas para diferenciar dos que já existem, um racional.

Tiago Paixão disse...

Entendo e respeito a tua posição caro DO Contra. No Caso, hoje o Do Contra sou eu! Acredito que há casos em que a pessoa renuncia aos seus direitos por agir como um desumano. Entenda... respeito os Garantistas... mas não me coloco entre eles... Acredito que o camarada que se deixa fotografar em atitude libidinosa com uma menor de idade está renunciando a essa condição de humano, e também acredito (como leigo, isso é uma opinião) que as suas garantias já foram pro saco.

Carlos Mota disse...

O Felipe disse que a poesia morreu na quarta-feira. Morreu e caiu dentro do cinzeiro que estavana mesa do bar. Será que é por isso que se chama "quarta-feira de cinzas"? Depois desta grande bobagem-anti-blogordão, me lembrei que até na morte as diferenças sociais e os preconceitos se firmam:
quando morre um cara muito rico, chama-se se ele de "ente querido"; quando morre um remediado, chama-se de "finado". Mas, quando morre pobre, é "defunto" mesmo!!!

Homem do Contra disse...

Eu entendo Tiago, mas em que momento se tem certeza que era o cara na foto?

Quando a sentença criminal passa em julgado.

E se não for o cara, for uma montagem?

Tiago Paixão disse...

Caro do Contra:

A gente espera... ESPERA... que um juiz não determine a prisão do vivente sem ter elementos para tanto...
E o caso, meu caro misterioso, é que a gente precisa falar a verdade... o problema de não ser identificado é o fato de ele ser um empresário do setor de transportes... Alguém respeitavel e acima de qualquer suspeita... Se fosse o João das Couves que "papasse" uma guriazina (pq não teria grana pra papar várias), o povo iria querer capar o vivente pra fazer salame!

Homem do Contra disse...

Prisão temporário não é julgamento sumário.

E se agem errado com o Zé das Couces, vamos agora defender que se aja errado com o cara que pode pagar um advogado?

Tiago Paixão disse...

Acho simplista falar dessa forma... o que penso é que os "rigores" (tanto da lei, quanto da divulgação) devem ser iguais... Acho que tem que se ter todo o cuidado do mundo em dizer que o cara é culpado... mas não tem nada de errado em dizer quem está em "prisão temporária". Sobre o Zé... É claro que o cara que pode pagar advogado tem mais valor... Claro....
Para Ilustrar um cidadção chamado Michel Vicky nos EUA está sendo julgado por incentivar brigas de cães... Ele é famoso... jogador de futebol americano... e está recebendo o mesmo tratamento que os seus comparsas que são anonimos, pobres e desconhecidos... mas acontece que no país dele... o cara que PAGA advogado também tem a mesma qualidade de serviço do Zé das Couves que não tem grana pra pagar... E mesmo o advogado PAGO não tem instrumentos para fazer protecionismo em relação a imagem do seu cliente criminoso.